" Contratempos são como facas que nos servem ou nos cortam, conforme as pegamos pelo cabo ou pela lâmina." - (Hermann Melville)
principal

Um caminho de luta e vitória

SÚMULA DO LIVRO AUTOBIOGRÁFICO
“PÉROLA NEGRA – HISTÓRIA DE UM CAMINHO”

Meu nome é Elaine Pereira da Silva, nasci em 1963, na cidade de São Paulo, sou negra. Minha mãe, falecida em 1989, era empregada doméstica. Meu pai, pedreiro, faleceu em 2005. Desde os dez anos, a despeito da pobreza vigente, sonhava ser médica. Minha mãe sempre me incentivava a estudar.

Trabalhei desde catorze anos e, ao terminar o 2º grau, percebi que os sonhos não são passaporte para entrar na escola de medicina. Tentei me conformar, cursando Biologia e formei-me em 1985. O desejo de ser médica, porém, continuou. Uma das frases que norteia minha vida é este fragmento da música “Clube da Esquina nº 2”, de Lô Borges: “Porque se chamavam homens, também se chamavam sonhos e sonhos não envelhecem”.

Após terminar o curso de biologia, fui lecionar à noite e fazer cursinho pré-vestibular pela manhã. Fiz seis meses, em 1986, e não entrei na medicina. No ano seguinte, fiz um ano inteiro e, ao final, fui aprovada em duas faculdades particulares: Puc – SP e Puccamp. Para me matricular, somente na primeira, precisei vender um carro antigo, que comprara com o salário de professora. O dinheiro acabou e, doze dias depois, fui obrigada a trancar a matrícula e voltar para o cursinho. Após novo ano inteiro de cursinho, fui aprovada na Santa Casa, na Unesp e na Unicamp, onde eu tanto sonhava.

A partir daí, parei de lecionar e comecei a realizar meu sonho: cursar medicina. Era, então, o ano da graça de 1989. Morando gratuitamente na Moradia dos Estudantes da Unicamp, e com uma pequena bolsa do SAE (Serviço de Apoio ao Estudante), fui estudando com afinco. Estava no 5º ano do curso em 1993 quando, por uma negligência de um professor meu que não fez meu diagnóstico a tempo, fui internada na UTI da Unicamp.

Lá fiquei quatro dias em coma, entubada, respirando através de aparelhos, quase morta. Outra frase muito séria em minha vida: “erro de médico, a terra cobre”. Mas não seria ainda neste momento, nem em outras duas vezes dentro destes anos em que eu veria muito de perto a cara da morte, que a terra me cobriria. Por quê? Quando estava no cursinho, prometera a Deus que, se conseguisse chegar a ser médica, atenderia a pessoas como eu, desprovidas de dinheiro. Creio piamente que foi esta promessa que me garantiu a vida, anos mais tarde.

Meu diagnóstico é Neurocisticercose, a doença da larva da Taenia Solium na cabeça. Ao longo destes anos trago no currículo desta doença: dois comas, uma lesão cerebral que me causaria infantilidade mental (excesso de alegria), perda da memória recente por três anos, sonolência excessiva que, felizmente, foram praticamente revertidos após meses de luta. Também conto: três neurocirurgias, cadeira de rodas, muletas, dezoito internações, inúmeros atendimentos no Pronto Socorro, três anos de faculdade perdidos e discriminações em todos os níveis possíveis, imagináveis e também inimagináveis. Entretanto, costumo dizer que “Deus é pai, não é padrasto e não é racista”. Ele queria que, após tudo isso, eu terminasse um livro contando 300% de vitória sobre uma lesão cerebral e suas implicações na sociedade racista, classista e machista.

Quais são os saldos desta luta?
01 – Desde 1997 tenho meu diploma de médica, conquistado com sangue, suor e lágrimas em uma das mais conceituadas universidades deste país – a Unicamp.

02 – Tenho meu registro no CRM (Conselho Regional de Medicina).

03 –
Tenho minha sanidade mental atestada em laudo médico pelo então Chefe da Neuroclínica da Unicamp – o mesmo professor que me viu com descontrole emocional, em 1993.

04 –
Desde que me formei, cumpro minha promessa: faço trabalho médico voluntário na comunidade de Vila Brandina, em Campinas – SP.

05 –
Trabalhei como Clínica Geral, efetiva, na Prefeitura do Município de Campinas por cinco anos. Aprovada no exame médico, sem esconder minha doença. Para este cargo, concorreram 160 médicos. Apenas 65 foram aprovados. Eu sou o 30º lugar.

06 –
Em 1998 fiz minha sexta ressonância magnética do cérebro e, finalmente, constou que meu cisticerco está morrendo e este meu problema de saúde está em vias de resolução.

07 –
Trazia, por anos, muita mágoa em meu peito, em função das milhões de agressões sofridas na sociedade por ser negra, pobre, doente e querer ser médica. Quando venci tecnicamente a maior luta da minha vida, exteriormente, Deus veio e levou grande parte da mágoa embora, para que a vitória fosse, também, no principal lugar – no interior da pessoa. Isto era essencial, pois o que me colocou de pé novamente não foi o desamor dos 500, foi o AMOR da meia dúzia, principalmente dos maiores amigos da minha vida: Dr. Fabrício, aluno da minha primeira turma, que não me deixou, como a maioria das pessoas, no pior período da minha vida e o Professor Dr. Jamiro, que é um pai para mim, e atende a mesma favela que eu, há mais de 30 anos.

08 –
E, para terminar com chave de ouro, a maioria dos meus pacientes – tanto da favela quanto do posto de saúde – gostavam muito do meu atendimento, e verbalizavam isto, para me deixar mais feliz.


Este conto de fadas verídico está publicado no meu livro autobiográfico intitulado Pérola Negra – História de um caminho.

A orelha do livro foi redigida pelo escritor Rubem Alves.

O livro termina aqui. Vamos agora, resumidamente, atualizar esta história.

Eu trabalhei na rede pública de saúde do país por sete anos e fui discriminada durante todo este tempo, em função da minha história de vida e do meu modo de atuar, lento e criterioso, buscando evitar erros.

Fui médica efetiva da Prefeitura de Campinas por cinco anos. Sofri e venci dois processos de demissão injustos e até criminosos. Exausta, fui embora de Campinas. Trabalhei no estado de Mato Grosso do Sul por três meses e, depois, consegui outro emprego no sul do Estado de São Paulo, em Taquarituba, onde ganhava muito bem. Entretanto, continuei negra e honesta, o que complica a vida de um médico no serviço público de saúde deste país. Fiquei lá por onze meses, quando perdi o emprego por uma monstruosidade, em março de 2005.

Cansada de guerra, voltei para Campinas, para a proximidade de meus amigos. Fiquei afastada pelo INSS por 2,5 anos. Voltei a dedicar-me ao trabalho médico voluntário na comunidade de V. Brandina. Lancei o livro em abril de 2006 e, desde então, tenho proferido palestras de motivação para o público em geral. Esta história foi divulgada na mídia falada, escrita e televisiva - regional, nacional e internacional. Em janeiro/08 fui admitida como médica de família, na rede pública de saúde de Monte Mor - SP, onde já palestrara. Trabalhei lá por quase três meses, e perdi o emprego por não suportar o peso de atender com qualidade técnica o grande volume de pacientes. Pedi mais um médico pra me ajudar, e fui dispensada, semanas depois...

Fui convidada pelo PMDB pra ser candidata a vereadora, em Campinas, mas não tinha tempo nem dinheiro pra fazer campanha - o resultado foi um fiasco...

Fiquei na medicina privada de 2008 até 2010 quando, por piora da saúde (problemas psicossomáticos sequelas desta história), precisei parar de trabalhar.

Em 2013, abraçou nosso projeto um importante cineasta, de renome internacional. O cineasta congo- francês Balufu Bakupa-Kanyinda, com incursões profissionais na Europa, África e América do Norte (mais sobre ele em http://goo.gl/wIqXuq) gostou muito do nosso projeto, e vai dirigir o documentário “Pérola Negra”, cujo roteiro foi feito pela jornalista Carla Lopes.

Continuo disponível para palestrar onde for possível. Atualmente, estou concluindo a pós-graduação em Perícia Médica. Fui aprovada num concurso para ser médica Clínica Geral na cidade de Paulínia – SP e assumi este cargo em janeiro de 2014, o que está me fazendo muito feliz!

Doutora Elaine


Compre meu livro direto comigo.

É muito simples: entre em contato por telefone Tim (19) 983612618 ou mande um e-mail através do link - Fale comigo ou diretamente para doutoraelaine@draelaine.com - Eu retornarei com dados bancários; depois que você efetuar o depósito de R$ 30,00 (trinta reais) mais o valor do frete até seu destino, seu livro será entregue em poucos dias úteis. A encomenda registrada pelo Correio é segura; eles entregam em qualquer lugar do Mundo.

 

SUMMARY OF THE AUTOBIOGRAPHIC BOOK "BLACK PEARL - HISTORY OF A TRAIL"

Elaine Pereira da Silva was born in 1963 and was raised in a neighborhood in the periphery of the city of São Paulo - Vila Matilde. Since childhood, she dreamed of being a physician, and her mother - Ana, a maid - always encouraged her to study. She graduated in Biology and followed her childhood dream. She studied for years, teaching at night, until she was approved and could start her medical studies at Unicamp and Unesp Universities, and at Santa Casa in 1989. She chose Unicamp.
While studying in her 5th year in Medicine, in 1993, she stayed four days in coma, in a ICU, and suffered cerebral lesion, because of medical neglect. She had neurocysticercosis. She underwent three neurosurgeries, was on wheelchair, had eighteen hospital admissions, lost her recent memory for three years, had mental childhood for months, had increased sleepiness and, because of all that, was discriminated everywhere and was delayed receiving her medical diploma for three years.
She graduated in 1997 and worked in Brazil public health system for seven years. Nowadays she continues to fulfill her promise made to God during her studies at premedical years: she takes medical care of financially deprived people, as a volunteer at Vila Brandina slum in Campinas, state of São Paulo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

quem sou
na imprensa
agenda
eu recomendo
minhas palestras
fale comigo